Mostrando postagens com marcador artistas. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador artistas. Mostrar todas as postagens

terça-feira, 16 de junho de 2015

Carybé - Série obras de artes

Obras de Arte – Carybé

Argentino naturalizado brasileiro, Hector Julio Páride Bernabó ficou internacionalmente conhecido como Carybé, um destacado artista plástico figurativo do século 20.

Nasceu fevereiro de 1911, na pequena cidade de Lanús, subúrbio de Buenos Aires, o pintor viveu em Gênova e Roma (Itália) dos 6 meses aos 8 anos. Em 1919, veio morar no Brasil onde completou os estudos secundários no Rio de Janeiro e estudou na Escola Nacional de Belas Artes.

Em 1927, retornou para a Argentina, onde trabalhou em diversos jornais, até que o periódico ´Prégon´ o contratou para viajar por vários países fazendo e enviando desenhos e reportagens de onde passasse. Com isso, Carybé começou a ter contato com várias culturas e diferentes formas de expressão artística, que influenciaram o seu trabalho como pintor. Em uma dessas viagens conheceu Salvador, onde começou a ter contato com a cultura baiana.

Após várias viagens para Salvador, em 1950 foi morar definitivamente na capital baiana, onde, através de uma carta de recomendação de Rubem Braga, foi contratado para fazer murais em prédios e obras públicas.

Durante os quase 50 anos em que viveu na Bahia, Carybé desenvolveu uma profunda relação com a cultura e com os artistas de Salvador. As manifestações culturais locais, como o candomblé, a capoeira e o samba de roda, passaram a marcar a sua obra. Ao lado de outros artistas plásticos, como Jenner Augusto, Mário Cravo e Genaro de Carvalho, participou ativamente do movimento de renovação das artes plásticas no Estado.

Bastante eclético, Carybé experimentou ao longo de sua vida grande parte das técnicas artísticas conhecidas, como aquarelas, desenhos, esculturas, talhas, cerâmicas, entre outros. Além desses trabalhos, destacou-se também na criação de diversos murais pelo mundo, entre eles, um no Aeroporto de Nova York.

Em 1957, o artista naturalizou-se brasileiro. Entre seus grandes amigos no país, destacou-se o escritor Jorge Amado. Carybé fez desenhos em inúmeras obras de Amado, além de ilustrar trabalhos para livros de outros autores de grande expressão, como Mário de Andrade, Gabriel García Márquez e Pierre Verger.



Por quase toda a sua vida, o pintor acreditou que o seu apelido Carybé provinha de um pássaro da fauna brasileira. Somente muitos anos depois, através do amigo Rubem Braga, descobriu que a sua alcunha significava ´mingau ralo´, o que lhe rendeu diversas brincadeiras.

Freqüentador do terreiro de candomblé Ilê Axé Opô Afonjá, Carybé morreu aos 86 anos, no dia 1° de outubro de 1997, em Salvador, durante uma cerimônia no próprio terreiro. O artista deixou como legado mais de 5.000 trabalhos, entre pinturas, desenhos, esculturas e esboços.

“Capoeira na praia” - 1984


“Carnaval” - 1986

“Folclore” - 1991

“Lavadeiras” - 1994

“Cotidiano” - 1995

Atividades – Decompondo a obra “Cotidiano” de Carybé

A proposta é reler a obra com diferentes técnicas e bases, dividindo-a em cenas.

Cena 01:

Cena: 02


Cena 03:

Cena 04:

Releituras

Cena 01:

Cena 02:

Cena 03:

Cena 04:

01 – Releitura – “Cotidiano” – Carybé – Cena 01 
Material: cartolina branca, papel color set vermelho, Big Canetas Hidrográfica, cola branca, Verniz Acrilfix Semibrilho, régua e tesoura.

Modo de fazer:

a) Escolhida a cena na obra “Cotidiano” de Carybé, transfira o desenho para a cartolina branca.
b) Com as Big Canetas Hidrocgráficas e a técnica do pontilhismo (pontinhos) vá preenchendo todo o desenho. 
c) Contorne com a Big Caneta Hidrográfica preta.
d) Borrife o Verniz Acrilfix Semibrilho ou Fosco sobre seu trabalho. O verniz irá protegê-la.
e) Faça uma moldura com o papel color set vermelho e cole sobre sua obra.


02 – Releitura – “Cotidiano” – Carybé – Cena 02

Material: Cartolina preta ou papel color set preto, papel color set amarelo (moldura), Lápis de cor Aquarelável, Verniz Acrilfix Semibrilho ou Fosco, Cola branca, régua e tesoura.

Modo de fazer:

a) Escolhida a cena, desenhe-a na cartolina preta ou papel color set preto.
b) Pinte inicialmente o fundo com Lápis de cor Aquarelável, depois pinte os personagens. Contorne-os de preto.
c) Borrife o Verniz Acrilfix Semibrilho ou Fosco para proteger a pintura.
d) Faça uma moldura com o papel color set amarelo, cole-a sobre o trabalho.


03 – Releitura – “Cotidiano” – Carybé – Cena 03 

Material: Camiseta branca, Canetas Acrilpen (várias cores), desenho da cena 03 da obra “Cotidiano” de Carybé numa folha de papel sulfite, jornal e papel carbono.

Modo de fazer:

a) Coloque papel cartão por dentro da camiseta.
b) Transfira o desenho para a camiseta com o auxilio do papel carbono.
c) Pinte todo o desenho com as Canetas Acrilpen. Espere secar e, depois, contorne com a Caneta Acrilpen preta.
d) Para fazer o chão, passe as Canetas Acrilpen inclinadas.


04 – Releitura – “Cotidiano” – Carybé – Cena 04

Material: cartolina branca 180 gr , Lápis de cor preto, Verniz Acrilfix Semibrilho ou Fosco, papel color set preto, Cola branca, régua e tesoura.

Modo de fazer:

a) Desenhe a cena 04 da obra “Cotidiano” de Carybé na cartolina branca 180 gr ou no papel Canson para pintura 
300 gr.
b) Em primeiro lugar pinte o fundo utilizando o lápis de cor preto, depois pinte os personagens e, por último, 
contorne-os.
c) Borrife sobre o trabalho o Verniz Acrilfix Semibrilho o Fosco pra protegê-lo.
d) Faça uma moldura com o papel color set preto e cole sobre sua obra.

Atividades: Releituras das obras de Carybé com diferentes materiais e técnicas.

Objetivos:

a) Conhecer a vida, as obras, as fases de Carybé, seu estilo e os temas por ele desenvolvidos.
b) Dividir as obras do artista em cenas e pintá-las utilizando materiais e técnicas diferentes.

Desenvolvimento dos trabalhos  
- Pergunte aos seus alunos se conhecem as obras de Carybé. 
- Proponha que pesquisem sobre o pintor, suas fases, o tipo de obras e cores que ele utilizava na elaboração de suas obras. 
- Fale sobre a importância desse pintor e os movimentos presentes nas cenas que ele retratava em suas obras. 
- Escolha uma obra de Carybé e faça, juntamente com os alunos, a leitura formal e interpretativa dela.
- Converse com eles sobre cada cena fazendo com que eles interpretem o que estão vendo. Peça que escrevam o que estão vendo na cena. Socialize. Trabalhe a reescrita.
- Sugira que dividam a obra escolhida em cenas distintas e refaçam em diferentes bases, com diferentes materiais e diferentes técnicas.
- Faça uma roda de conversa onde as crianças contarão o que aprenderam com o desenvolvimento da atividade, como foi o processo de criação, quais os novos conteúdos aprendidos e quais os relembrados.

Conteúdos trabalhados:
- Carybé – vida, obras, fases e estilo 
- Leitura formal, interpretativa e releitura de obra de arte.
- Linhas, formas, cores, composição, sobreposição, textura, movimento, volume, harmonia, etc.

Técnicas trabalhadas / Materiais:
- Atividade 01 – “Cotidiano” – Cena 01 -  Homens puxando a corda – Pintura sobre papel (pontilhismo) / Big Canetas Hidrográficas.
- Atividade 02 – “Cotidiano” – Cena 02 - Mulheres conversando - Pintura sobre fundo preto / Lápis Aquarelável.
- Atividade 03 – “Cotidiano” – Cena 03 – Pessoas trabalhando – Pintura sobre tecido / Canetas Acrilpen.
- Atividade 04 – “Cotidiano” – Cena 04 – Pessoas com animais – Pintura em preto e branco / Lápis de cor preto.

Possibilidades de trabalho interdisciplinar
- Artes – História da Arte e todos os conteúdos das artes plásticas.
- Português – produção de texto, escrita e reescrita.
Ivete Raffa
Arte educadora e Pedagoga
www.iveteraffa.com.br

Fonte: http://www.acrilex.com.br/

quinta-feira, 17 de abril de 2014

Kandinsky - Série Obras de Arte

Obras de Arte

Kandinsky

Kandinsky nasceu em 1866 em Moscou, na Rússia. Sua primeira vontade  foi ser músico, entretanto, formou-se em direito e economia política pela Universidade de Moscou. Aos 30 anos, encantado com um quadro de Monet, abandonou a carreira jurídica e iniciou seu trabalo artístico.

Seus primeiros trabalhos exprimiam a musicalidade e o folclore russo. Em Paris, Kandinsky entusiasmou-se pelas artes aplicadas e gráficas, bem como pelo estilo de pintura dos fauvistas.

Casou-se com Gabriele Munter em 1900, separaram-se e voltaram a viver juntos por várias vezes. Nesse período conturbado, pintou várias telas, às quais dava sempre o nome de “Improvisação” 1, 2, 3.....inúmeras.

Em 1908, voltou a Munique. Foi colega de Paul Klee. Publicou o ensaio “Do espiritual na Arte”, em 1911, onde tratou a manifestação artística como expressão de uma necessidade interior. Em 1912, publicou o almanaque “O cavaleiro azul”, nome de um quadro e doprimeiro grupo expressionista, cuja vertente é mais lírica do que dramática, em relação ao grupo expressionista Die Brucke. Suas obras transbordavam em cores vivas e quentes.

Em 1917 casou-se novamente com Nina Andreevsck. Tiveram apenas um filho que faleceu com apenas dois anos de idade. Esse fato fez com que Kandinsly entrasse em tristeza profunda. Começou a pintar com manchas, riscos, borrões, com cores escuras, com formas fragmentadas dando a impressão que queria quebrar ou destruir o que via pela frente.

Aos poucos foi colorindo as telas com cores vibrantes e quentes novamente. Organizava as linhas, juntava ou sobrepunha as formas, criando composições plásticas maravilhosas.

Voltou à Rússia durante a Primeira Guerra, onde permandeceu até 1921. Fundou vários museus e reorganizou a Academia de Belas Artes de Moscou. Foi também professor da Bauhaus a partir de 1922.

Escreveu “Ponto e Linha sobre o Plano” onde reflete sobre os elementos da linguagem plástica e suas correlações, colocando os problemas da abstração. Escreveu os artigos “Abstrato e Concreto”, “Cubismo e Abstrato” e “Abstrato ou Concreto?”. Estes artigos revolucionaram o “olhar” sobre a arte e os artistas da época.
Tornou-se cidadão alemão em 1928. Em 1933, a Bauhaus foi fechada pelos nazistas e, em 1937, seus quadros foram confiscados. Em 1939 fugiu pra a França e em 1944 expôs pela última vez na galeria L’Esquisse em Paris. Faleceu na França em 1944.










Atividades: Pinturas realizadas em diferentes bases, seguindo o estilo de Kandinsky.
Objetivos:

  1. Conhecer a vida e as obras de Kandinsky, as características de sua pintura, as cores utilizadas e os temas abordados.
  2. Escolher uma obra da artista, fazer a leitura formal e interpretativa.
  3. Apropriar-se da obra e criar obras inéditas, com diferentes materiais.

Atividade 01 – Releitura de Kandinsky – “Sobre pontos”
Material: EVA de várias cores, Cola de EVA, Crystal cola, régua e tesoura.
Modo de fazer:
    • Inspirando-se na obra “Sobre pontos” de Kandinsky, desenhe em EVA várias formas geométricas.
    • Cole-as sobre um retângulo de EVA utilizando a Cola para EV A. Espere secar.
    • Faça pontos e linhas sobre as formas utilizando Crystal cola



Atividade 02 – Releitura de Kandinsky – “Sobre pontos”
Material:  Cola branca, Giz de cera triangular, lápis preto, cartolina branca ou papel verge, color set preto, régua e tesoura.
Modo de fazer:
Inspirando-se na obra “Sobre pontos” de Kandinsky, faça um desenho sobre a cartolina.
  • Passe uma camada bem grossa de cola branca sobre todo o desenho. Espere secar até que a cola fique transparente.
  • Passe o Giz de cera triangular deitado sobre a cartolina. Primeiro uma cor e, se quiser, depois outra.
  • Proponha aos alunos que façam uma moldura com o papel color set preto ou colorido.




Atividade 03 – Releitura de Kandinsky “Preto e violeta” – Pintura em camiseta
Material:  Tinta para tecido (várias cores, inclusive branco), Tinta Dimensional (várias cores, inclusive branco), camiseta, cartolina, lápis e pincel.
Modo de fazer:
  1. Inspirando-se na obra ”Preto e violeta” de Kandinsky, peça aos alunos que escolham uma parte dela, que façam um zoom e desenhem na cartolina.
  2. Recorte as partes e transfira para a camiseta.
  3. Pinte o desenho com Tinta para tecido branco.
  4. Em seguida, pinte com Tinta de tecido, cada pedaço de uma cor, sobre o branco.
  5. Contorne com Tinta Dimensional branca.
  6. Faça texturas com Dimensional de várias cores.
 


Atividade 04 – Releitura de Kandinsky – “Círculas” – Bandejas de isopor + Tinta Acrílica + Tinta confetti
Material: bandejas de isopor, Guache ou Tinta Acrílica, Tinta Confetti, tesoura e pincel.
Modo de fazer:
  1. Recorte quadrados nas bandejas de isopor.
  2. Inspirando-se na obra “Círculos” de Kandinsky, pinte círculos de várias cores nos quadrados de isopor. Espere secar.
  3. Realce algumas partes pintando com Tinta Confetti. Espere secar.
Obs. 01 – Monte diferentes possibilidades artísticas com os quadrados pintados.
Obs. 02 – Faça móbiles pendurando-os. Para isso, fure os quadrados, amarre linhas ou fios de nylon e monte o móbile, juntando-os ou pendurando-os separadamente.












Conteúdos trabalhados:
- Leitura formal, interpretativa, releitura, vida e obras de Kandinsky.
- Linhas, formas, cores, composição, sobreposição, movimento e harmonia.
Técnicas trabalhadas:
- Atividade 01 – Releitura de Kandinsky – “Sobre pontos” – Colagem com EVA e texturização com Crystal cola.
- Atividade 02 – Releitura de Kandinsky – “Sobre pontos” – Pintura com giz de cera sobre desenho feito de cola branca.
- Atividade 03 - – Releitura de Kandinsky “Preto e violeta” – Pintura em camiseta com Texturas de Tinta Dimensional.
- Atividade 04 – Releitura de Kandinsky “Círculos” – Bandejas de isopor + Tinta Acrílica + Tinta Confetti.
Possibilidades de trabalho:
- Inicialmente apresente aos alunos as obras de Kandinsky, escolha uma delas.
- Escolhida a obra, façam a leitura formal (linhas, formas, planos, cores, formas, etc).
- No segundo momento faça a leitura interpretativa da obra (O que vejo na obra? O que está representando, o que me lembra? Qual a mensagem que ela traz, etc).
- Fale sobre o artista Wassily Kandinsky, seu estilo, as cores usadas nas obras, o tipo de pintura, o abuso das linhas e das formas, etc.
- Fale com as crianças sobre o que acontecia no Brasil e no mundo na época e o que isso influenciou suas obras.
- Inspirado na obra escolhida, faça suas próprias obras utilizando diferentes materiais.
- Faça uma roda de conversa onde cada criança mostrará sua criação e contará o que aprendeu com o desenvolvimento da atividade, como foi o processo de criação, quais os novos conteúdos aprendidos e quais os relembrados.
  
Dicas:
  1. Para utilizar a cola de EVA passe uma camada bem fina sobre a forma a ser colada e cole sobre a base (atividade 01). Espere secar.
  2. Depois da colagem do EVA estar pronta você poderá fazer as texturas sobre ele com a Crystal cola (atividade 01).
  3. Para fazer  atividade 02, utilize as embalagens de cola branca com aplicador.
  4. Faça a moldura de uma cor que faça bastante contraste com o trabalho (atividade 02).
  5. Moldura – É ela que dá o acabamento ao trabalho. Se a pintura do seu aluno for muito forte, proponha que ele faça uma moldura neutra. Se for fraca, peça que ele faça uma moldura mais viva. Ao expor os trabalhos você verá que essa mistura ficará bastante interessante (atividade 02)
  6. Para fazer a pintura da camiseta, pinte inicialmente o desenho de branco e espere secar bem, somente depois de bem seco é que o trabalho deverá ser iniciado (atividade 03).
  7. Para utilizar as bandejas de isopor, escolha as que não são brilhantes pois quanto mais brilhantes menos a tinta se fixará.
Ivete Raffa
Arte educadora e Pedagoga
www.iveteraffa.com.br